NOVO CONGRESSO TENTA APROVAR PROJETOS IMPORRTANTES

A exemplo da Reforma da Previdência, escalada como prioridade máxima pela equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), ao menos outras 10 propostas de interesse do futuro governo já estão em discussão no Congresso e podem ser levadas à votação antes mesmo da posse.


Na lista estão desde temas que serviram de bandeira de campanha do presidente eleito até medidas econômicas para tentar aliviar as contas no início do seu mandato. Pelos cálculos de parlamentares, há ainda quatro semanas “livres” para votações de alguns destes temas antes que o Congresso comece a se debruçar sobre o Orçamento de 2019, o que deve dominar a maior parte das sessões no fim do ano.

Nesta semana, duas destas propostas até chegaram a ser pautadas, na esteira da euforia causada pela eleição de Bolsonaro, mas não foram votadas. No Senado, manobra de partidos da oposição impediu que o senador Magno Malta (PR-ES) colocasse em votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) texto que altera a lei antiterrorismo. Malta é o relator da proposta.

Em outra frente, parlamentares do PT, PC do B e PSOL na Câmara se organizaram para evitar a análise do projeto Escola sem Partido, que prevê uma série de medidas a serem adotadas em sala de aula contra o que defensores da ideia chamam de “doutrinação”. Uma nova sessão da comissão temática foi marcada para esta semana.

Desarmamento

Também há a expectativa de que o Congresso se debruce ainda neste ano sobre outra bandeira do presidente eleito, a proposta que revoga o Estatuto do Desarmamento, flexibilizando regras como a compra e o porte de armas de fogo. Ainda na campanha, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encampou a ideia de votá-la o quanto antes. 

A decisão é vista por congressistas como um gesto do deputado aos aliados de Jair Bolsonaro para ganhar apoio tendo em vista sua reeleição à Presidência da Casa, no início do ano que vem. 

Maia também está sendo pressionado a retomar a análise da Reforma da Previdência que foi enviada pelo presidente Michel Temer (MDB) ao Congresso. Aliados de Bolsonaro querem que a proposta seja votada ainda neste ano para que o próximo presidente não tenha que se desgastar politicamente com uma questão polêmica logo no início do seu mandato, que se inicia em janeiro.

Eles avaliam também que, se a reforma fosse aprovada ainda em 2018, Bolsonaro enviaria uma mensagem de força sobre sua futura gestão. O impasse, no entanto, dá-se pela falta de clareza sobre o sucesso da empreitada. A avaliação é de que, se a chance de derrota for considerável, é melhor deixar a questão para o ano que vem. Tudo isso deve ser avaliado após a viagem de Bolsonaro a Brasília, que começa amanhã.

Dificuldade

Membros da bancada cearense no Congresso, entretanto, mostram-se céticos quanto a possibilidade de alguns projetos avançarem, como a Reforma da Previdência. “Não dá para achar que no encerrar de uma legislatura, pontos polêmicos, sem consenso, que precisam ser mais amadurecidos, podem ser aprovados”, declara o deputado federal Odorico Monteiro (PSB). José Guimarães (PT), atual líder da oposição na Casa, diz que, no que depender dos seus liderados, nada deve passar no apagar das luzes. </MC> “Acho que (em 2018), não deveria ser discutido mais nada. Apenas o orçamento”, diz.

Já Raimundo Matos (PSDB) acredita que a proposta para rever o Estatuto do Desarmamento, por exemplo, pode passar sem maiores dificuldades neste momento. Outras questões, entretanto, podem até avançar nas comissões temáticas da Casa, mas é pouco provável que tenha o mesmo sucesso ainda nesta legislatura no plenário. 
O motivo, diz ele, é o índice de renovação do Congresso Nacional.

Na Câmara, menos da metade dos deputados reelegeu-se. No Senado, das 54 cadeiras em disputa, apenas oito foram conquistadas por candidatos à reeleição, o que historicamente diminui as chances de aprovação de temas polêmicos. (Com Agência Estado)
Saiba mais

Reforma da Previdência

Aliados do presidente tentam levar o projeto enviado pelo governo Temer ao plenário da Câmara ainda neste ano para evitar desgastes para o novo governo. Entretanto, por envolver mudança na Constituição, seria preciso interromper a intervenção federal do Rio

Lei antiterrorismo

Pelas mudanças propostas, passariam a ser entendidas como terrorismo incendiar meios de transporte e intimidação. O relator, Magno Malta (PR), ainda quer que atos motivados por razões sociais, políticas ou ideológicas que possam colocar em perigo a liberdade individual sejam tipificados. O texto tramita no Senado

Escola sem partido

Determina uma série de obrigações para professores, como não usar a “audiência cativa” dos estudantes em temas como política, religião e moral, entre outros pontos. As mudanças, de acordo com os defensores, visam combater a “doutrinação” dentro das escolas

Estatuto do desarmamento

Bandeira de campanha de Bolsonaro, a proposta é esvaziar o Estatuto, liberalizando as regras para o porte de armas por civis. Em abril deste ano, mais de 200 projetos para mudar o texto tramitavam no Congresso

Cessão onerosa

Já aprovada na Câmara, a medida permite que a Petrobras transfira até 70% dos direitos de exploração do pré-sal obtidos através de cessão onerosa para outras petroleiras

Reajuste dos servidores

Adia de 2019 para 2020 o reajuste de diversas categorias do serviço público federal. A medida pode representar uma economia de R$ 4,7 bilhões.

DIARIO DO NORDESTE

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.