TASSO DIZ TRABALHAR NUMA CHAPA QUE TRAGA 'RENOVAÇÃO'PARA A POLÍTICA DO CEARÁ

Embora tenha buscado demonstrar unidade em evento de filiações de ex-integrantes do PR ao PSDB ocorrido na última quinta-feira (5), em Maracanaú, a oposição ao Governo Camilo Santana (PT) ainda não tem candidatos definidos, tampouco indicativos sobre quando a chapa será fechada. O principal líder tucano no Estado, senador Tasso Jereissati, afirmou ao Diário do Nordeste que, nas constantes reuniões da oposição, ainda não há "um nome principal" em discussão, mas ressaltou que o grupo - formado por PSDB, PSD, SD e PROS - trabalha na formação de uma chapa que "traga renovação a uma política do Ceará".



Tasso Jereissati foi quem conduziu, no evento realizado na noite da última quinta-feira no Centro de Desenvolvimento Educacional do Colégio 7 de Setembro, em Maracanaú, as filiações do vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, da filha dele, a deputada estadual Fernanda Pessoa, do ex-governador Lúcio Alcântara e de prefeitos e vereadores ao PSDB. Na chegada ao local, ele ressaltou que, entre março e o início de abril, as atenções estavam voltadas às "definições partidárias" em torno das filiações - uma vez que o prazo para que pretensos candidatos às eleições deste ano estivessem filiados a uma sigla partidária terminou ontem (6).

Agora, o grupo apostará em uma agenda de mobilização no Estado para definir os candidatos a governador, vice e senador em 2018. "Essas conversas do final de março, agora abril, são as definições partidárias, que estão acontecendo aqui (na quinta) com várias lideranças fundamentais que se juntam no PSDB, aliados a outros partidos, para formar um grupo forte, que tenha consistência e possa enfrentar a onda do poder federal e do poder estadual", declarou.

Na oportunidade, o senador criticou a "cooptação" de ex-oposicionistas pelo governo, que resultou em baixas recentes à oposição. "É uma vergonha para o Ceará que não tenhamos condições de competir contra o Governo do Estado e o Governo Federal. Hoje, aqui, tanto a pressão do Governo Federal, do Temer, como a pressão do Governo Estadual, estão cooptando a maioria dos políticos na tentativa de que não haja oposição", reclamou. Ele chamou a aliança entre PSDB, PSD, SD e PROS de "grupo da resistência, que entende que o povo do Ceará não aceita isso, uma eleição sem disputa, que é o que eles querem, e vai para a luta, mesmo sem ter poder, vai para a luta".

Sem data

No lançamento do Movimento Renasce, em Fortaleza, no início de março, Tasso havia declarado, em entrevista, que a candidatura oposicionista ao Governo do Estado seria anunciada até o fim do mês, mas disse, na quinta, que não há previsão para um anúncio. "Não tem data marcada, não. A data marcada é a data da lei", desconversou. "Não é só a pesquisa (interna, encomendada pelo PSDB) que define qual é o melhor nome para que a gente possa formar um grupo e também traga renovação a uma política do Ceará, que está ficando cada vez mais velha e vencida. Tem vários nomes", afirmou.

Segundo o senador, a coordenação política formada no grupo oposicionista em reunião no último dia 26 de março, composta por ele, Capitão Wagner e Lúcio Alcântara, trabalha na construção de uma agenda de mobilização no Estado, que deve levar debates a municípios de todas as regiões do Estado. Ele informou que ainda não há definição sobre quando e qual será o primeiro município a receber o evento, mas destacou que "nós vamos começar uma série de reuniões em várias regiões do Ceará para fazer essa mobilização".

Questionado sobre como dividirá a participação na coordenação da campanha do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, à Presidência da República, e na campanha da oposição cearense ao Governo do Estado, Tasso disse que trabalhará "tanto pelo Ceará quanto pelo Brasil", mas frisou: "A minha preferência é o Ceará". Sobre o governador tucano estar tentando convencê-lo a disputar o cargo de governador e, com isso, fortalecer palanque do presidenciável no Nordeste, Tasso disse apenas que a defesa de Geraldo Alckmin para que seja candidato é "bondade dele".

Perguntado também sobre quais são as metas do PSDB para a eleição de deputados federais e estaduais no Ceará, Tasso afirmou que não há "metas estabelecidas", mas disse que o partido colocará à disposição do eleitorado "vários candidatos". "Vamos começar com três deputados que eu considero praticamente eleitos, que são o Raimundo Gomes de Matos, o Roberto Pessoa e o Danilo Forte. E o senador Lúcio Alcântara, que traz a sua experiência e a sua vida de homem limpo para mostrar que esse lado é o lado limpo, não é o lado da Lava-Jato", declarou, confirmando que o grupo considera possível candidatura do ex-governador Lúcio Alcântara ao Senado Federal.

Fortalecimento

Durante o evento de filiações, outros tucanos demarcaram a posição dos opositores em relação à disputa eleitoral. O presidente estadual do PSDB, Francini Guedes, por exemplo, animou os presentes ao dizer, em discurso: "nós temos candidato a governador, podem ficar certos disso!", enquanto a plateia reagia gritando os nomes de Tasso Jereissati e do deputado estadual Capitão Wagner (PROS).

Ex-presidente do PSDB no Ceará, o ex-senador Luiz Pontes, por sua vez, ressaltou ao Diário do Nordeste que o PSDB "está forte" após as últimas adesões. "Nós vamos escolher, agora, o nosso candidato a governador, para que a gente possa apresentar à sociedade cearense uma opção para se discutir o Estado".

DIÁRIO DO NORDESTE

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.