BASE ALIADA DE TEMER CONFIA EM PARECER CONTRA DENÚNCIA

O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) apresentará, na tarde de hoje, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, relatório sobre a denúncia da Procuradoria-Geral da União contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência). A expectativa dos governistas é de que o tucano vote pelo arquivamento das acusações de obstrução da Justiça e organização criminosa.

Resultado de imagem para RODRIGO PACHECO E BONIFÁCIO ANDRADA

A base aliada do governo se mobilizou na semana passada para manter o tucano na CCJ e na relatoria do caso.

"Eu não sei qual será o parecer de Bonifácio, mas espero que seja pelo arquivamento da denúncia. É claro que temos de respeitar a posição dele pelo saber jurídico que tem. Eu tenho certeza de que vai apresentar algo que seja justo para o Brasil", afirmou o vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP). "Não vai ter surpresa".

O vice-presidente da Câmara, deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), disse esperar um relatório "equilibrado". Para ele, diferentemente da primeira denúncia, por corrupção passiva, a votação será mais tranquila para o governo na CCJ e no plenário.

"Não teremos trabalho nem lá (na CCJ), nem cá (no plenário)".

A sessão do colegiado está marcada para as 10h, mas, como o relator pediu mais tempo para concluir seu parecer, o presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), abrirá os trabalhos respondendo às duas questões de ordem e aos três requerimentos protocolados pela oposição. Entre os pedidos estão os dos deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Alessandro Molon (Rede-RJ) solicitando a votação separada da autorização para o prosseguimento do processo em relação a cada um dos acusados. Também há um requerimento de Sérgio Zveiter (Pode-RJ) questionando a cessão da vaga de suplente do PSC para Bonifácio continuar na comissão após ser destituído pelo PSDB.

Análise única

O relator indicou que não pretende separar as acusações no parecer de acordo com o cargo do denunciado e o crime imputado, como quer a oposição. "A denúncia não separa as pessoas", disse o tucano. Segundo Bonifácio, caberá a Pacheco decidir como fará a votação. O foco do relatório, declarou, será a análise da acusação de organização criminosa. A acusação de obstrução da Justiça deve ficar em segundo plano.

A sessão desta terça será a primeira da CCJ para analisar a denúncia contra Temer e seus ministros. Respondidas as questões de ordem e definido o destino dos requerimentos, o primeiro a se manifestar será o relator, que apresentará parecer pelo prosseguimento ou arquivamento da denúncia. Depois, os três advogados de defesa poderão fazer a sustentação oral.

A comissão se reunirá novamente para discutir o tema no dia 17. A expectativa é de que o tema siga para o plenário da Câmara entre 23 e 24 de outubro.


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.