AÉCIO NEVES DEVE DECIDIR SOBRE PRESIDÊNCIA DO PARTIDO NOS PRÓXIMOS DIAS

O presidente nacional interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), contrariou o líder do partido no Senado, Paulo Bauer (SC), e disse que ainda não há definição sobre a presidência da legenda.


Segundo Jereissati, o assunto nem sequer foi tratado na reunião da bancada, na tarde de ontem (24).

"Alguma coisa tem que ser definida. Têm várias opções, mas alguma coisa tem que ser definida", defendeu. Alguns minutos antes, Bauer afirmou à imprensa que Aécio permaneceria licenciado do comando da sigla até a Convenção Nacional do PSDB, em dezembro, com apoio das bancadas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Jereissati, neste caso, continuaria na interinidade. "Isso é uma posição dele (Bauer), eu preciso avaliar, ouvir meus pares, não sou eu que tomo a decisão sozinho, preciso ouvir meus pares também", rebateu Jereissati, declarando que Aécio deve procurá-lo hoje para conversar.

"Dentro do seu livre arbítrio, o senador Aécio Neves está fazendo uma avaliação e devo ter uma conversa com ele essa semana. Depende dele", afirmou Jereissati. O tucano negou que tenha dado um prazo para Aécio se posicionar sobre o assunto. "Ele ficou de tomar uma decisão nesta semana, e essa semana ainda não terminou", reforçou.

Ética

Já o presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), decidiu arquivar, ontem, representação contra Aécio por quebra de decoro parlamentar. João Alberto alega que acatou sugestão da Advocacia-Geral da Casa. A decisão ainda cabe recurso, que deverá ser assinado por, pelo menos, cinco membros.

"A opinião da Advocacia foi de não conhecer a peça, tendo em vista que era uma reedição da (representação) que já tinha sido arquivada. Se pudesse fazer isso, daqui a pouco processos passados poderiam ser novamente questionados, então a Advocacia optou pelo não reconhecimento", justificou o presidente do Conselho.

A representação que pede a abertura do processo por quebra de decoro foi apresentada pelo PT no início do mês, logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter afastado Aécio do mandato. A decisão da Corte acabou barrada pelo plenário do Senado na semana passada e o tucano retomou às atividades parlamentares.

Esta é a segunda vez que João Alberto arquiva representação contra Aécio este ano. Em junho, o parlamentar indeferiu outro pedido de cassação contra o tucano com base no mesmo episódio. Na ocasião, ele alegou "falta de provas". Agora, justifica que não há fato novo para a representação ser apresentada.

Há cerca de quatro meses, após decisão de João Alberto pelo indeferimento da representação, cinco 
senadores reuniram assinaturas no Conselho de Ética para apresentar recurso, porém, o pedido foi derrotado.


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.