RAQUEL DODGE DIZ QUE PROVAS DA JBS SEGUEM VÁLIDAS NA OPERAÇÃO LAVA-JATO

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse nesta terça-feira (26), em entrevista coletiva, que ainda estuda o que fazer com a delação da JBS, assinada em maio por seu antecessor, Rodrigo Janot, mas que entende que a eventual rescisão do acordo não invalida as provas.


Janot pediu, em sua última semana no cargo, a rescisão do acordo - a perda dos benefícios dos delatores - por entender que Joesley Batista e Ricardo Saud, executivos da JBS, omitiram informações de má-fé.

Cabe ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, dar a palavra final sobre a rescisão.

A delação da JBS deu origem às investigações e a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

"No tocante às delações, estamos conhecendo melhor o conteúdo e compreendendo a importância e o impacto delas. É um momento ainda de estudo e reflexão sobre o que faremos", afirmou, ao ser questionada sobre o caso JBS.

A procuradora-geral adotou um tom cuidadoso na entrevista, evitou falar de casos concretos na maior parte do tempo e, em questões polêmicas, disse que ainda estuda os casos.


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.