POLÍCIA FEDERAL RELACIONA "BUNKER" DE GEDDEL COM CORRUPÇÃO DE PMDB DA CÂMARA

A Polícia Federal relaciona, em relatório concluído nesta segunda (11), o "bunker" do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) com a atuação do grupo do PMDB na Câmara.

Resultado de imagem para MALAS DE DINHEIRO DE GEDDEL

O operador Lucio Funaro havia afirmado em depoimento em junho que repassou R$ 20 milhões de propina ao peemedebista em troca de aprovação de empréstimos na Caixa Econômica Federal.

A PF diz, então, que como os valores encontrados no "bunker" superam a cifra citada por Funaro "faz inferir que o saldo remanescente pode ter se originado de outros esquemas ilícitos destacados ao longo do relatório, relacionados com a atuação do grupo do PMDB na Câmara", diz trecho do documento.

"Inclusive envolvendo a ciência e participação do irmão de Geddel, o deputado Lucio Vieira Lima", completa.

Não há, porém, no relatório prova ou outro indício concreto que aponte que o dinheiro achado é o mesmo dos esquemas narrados pela polícia.

Geddel foi preso na última sexta (8), por decisão da Justiça Federal de Brasília.

É a segunda vez que ele vai para o presídio da Papuda - na primeira, ficou apenas 8 dias e conseguiu um habeas corpus para cumprir prisão domiciliar, situação que se encontrava até ser preso de novo.

Bunker

A PF encontrou na terça-feira (5) o "bunker" com milhares de notas em reais que, segundo a investigação, tinham impressões digitais do ex-ministro.

A operação, nomeada de Tesouro Perdido, foi autorizada pela 10ª Vara Federal de Brasília.

O total contabilizado foi de R$ 51 milhões, em reais e dólares.

Os valores apreendidos foram depositados em conta judicial.

Segundo a PF, após as últimas fases da Operação Cui Bono, foi possível chegar a um endereço, em Salvador, que seria utilizado para armazenagem de dinheiro.

Outro lado

A defesa do ex-ministro disse em nota divulgada no domingo (10) que "mais uma vez, foram violados direitos que lhe são assegurados por lei".

A nota da defesa traz ainda que, "além de ter sido impedido o acesso e a entrevista pessoal dos advogados constituídos por Geddel, ainda foi impossibilitada a participação na sua oitiva perante a autoridade policial".

E que a "suposta emoção" atribuída a Geddel durante o depoimento divulgada por "fontes ligadas à investigação", foi "mais um atentado à sua dignidade e integridade moral, mediante a indevida exposição de uma pessoa submetida à custódia e responsabilidade do Estado."

"Geddel irá refutar as consequências jurídicas que lhe são indevidamente imputadas, em momento oportuno, perante as autoridades competentes", conclui a nota.


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.