ENCONTRO DE AÉCIO E TEMER FORA DA AGENDA, CAUSA DESCONFORTO AO PSDB DE SÃO PAULO

A Executiva do PSDB em São Paulo criticou e manifestou "desconforto" em relação aos encontros entre o senador Aécio Neves (MG), afastado da presidência do partido após ser acusado de pedir R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, e o presidente Michel Temer.


Os dois tiveram uma reunião fora da agenda na noite de sexta-feira (18), levando a executiva do diretório municipal do PSDB a soltar uma nota de repúdio.

"A presença de Aécio Neves hoje, em reuniões internas ou públicas, só nos causa desconforto e embaraços. Prove sua inocência, senador, e aí sim retorne ao partido", afirmou o diretório, acrescentando que o senador Tasso Jereissati (CE), presidente em exercício da sigla, é quem pode falar em nome do PSDB.

Após a repercussão negativa do encontro, Temer informou, ontem, em mensagens publicadas no Twitter que o encontro com o senador mineiro foi para tratar da Cemig, dona de quatro hidrelétricas que o governo federal pretende relicitar para levantar R$ 11 bilhões e reduzir o rombo das contas públicas. "É assunto político. O tema é discutido pelo governo, aliados e equipe econômica", afirmou Temer.

"Senadores tratam dos assuntos de interesse de seu Estado. Nada mais normal. Teorias da conspiração são assunto de quem não tem o que fazer", complementou o presidente, que também disse não entrar em assuntos internos dos partidos.

Em nota, Aécio Neves disse ter tratado de interesses da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) no último encontro Temer. "O PSDB tem responsabilidade para com a estabilidade política e a recuperação econômica do país, o que torna natural que lideranças do partido tenham conversas com o presidente e membros do governo", diz.

A nota de Aécio afirma que as questões internas do PSDB são travadas internamente, "sem qualquer participação do governo ou do presidente".

Mário Covas Neto também passou a ser alvo de ataques do diretório do PSDB de Minas. "É muita infelicidade o vereador entrar em um assunto que ele desconhece e que é de importância para os mineiros", disse o presidente do diretório, deputado federal Domingos Sávio.

Sávio também divulgou nota em que sugere que o vereador seja uma figura pouco expressiva dentro do partido. "Ele, que já foi alvo de acusações extremamente graves, que espero sejam injustas, devia ter aprendido que cabe a quem acusa ônus da prova", escreveu o deputado, sem citar o caso em questão.

José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, considerou a nota "uma coisa totalmente fora de propósito". "Quem fala em nome do PSDB somos todos nós", disse Aníbal reiterando que "o PSDB não pode conviver com esse tipo de censura".


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.