CAMILO SANTANA FALA SOBRE OS POLICIAS PRESOS POR EXTORSÃO

No dia seguinte à prisão de quatro policiais militares por extorsão, o governador Camilo Santana criticou duramente os profissionais de segurança, afirmando que a atitude do grupo foi igual a de "bandidos", em declaração dada ontem, durante agenda.

Image-0-Artigo-2277772-1

"Estou indignado com isso. É uma vergonha para o povo cearense. Esses profissionais não se diferenciam da atitude de criminosos, são bandidos da mesma forma do que os que estão cometendo crime", bradou Camilo.

O governador ponderou que o Estado reconhece os policiais que agem de forma legítima. "Eu sempre digo que o papel do policial é uma das profissões mais difíceis. O meu Governo sempre reconhecerá o trabalho desses profissionais que dedicam a sua vida para defender a vida do povo cearense. E tenho procurado fazer muitas coisas para dar as condições necessárias da Segurança Pública trabalhar. Mas, nesses casos (dos PMs presos), é o rigor da lei", afirmou.

Investigação

Quatro sargentos da Polícia Militar foram presos em flagrante, na Avenida Osório de Paiva, em Fortaleza, na manhã da última terça-feira (1º), após investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público do Ceará (MPCE), em conjunto com a Inteligência da Controladoria Geral de Disciplina (CGD).

De acordo com o MPCE, os PMs Auricélio da Silva Araripe, Glaydson Eduardo Saraiva, Jeovane Moreira Araújo e Rilmar Marques dos Santos coordenavam uma organização criminosa que extorquia traficantes por recompensa financeira.

Por meio de interceptações aos telefones pessoais dos policiais, autorizadas pela Justiça, o MPCE descobriu uma negociação entre o sargento Araripe e um traficante que ia trair um comparsa, para que outro PM o extorquisse (o que a dupla chama de 'bote').

"Vai dar certim. Vou dizer a ele que tem um chapa meu querendo para a gente marcar o bote. O carro que ele anda é um Golf preto, com um somzão", disse o traficante. "Então beleza. Fica tranquilo que hoje eu vou marcar esse bote aí para nós ganhar. Vou mandar o menino campanar aí. Quando ele aparecer, bota ele na fita", respondeu o sargento Araripe.

Os militares presos devem responder ao processo criminal, podendo serem punidos com oito a quinze anos de prisão; e ao procedimento disciplinar aberto pela CGD, podendo serem até demitidos da Polícia Militar.


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.