MARCOS VALÉRIO FECHA ACORDO DE DELAÇÃO COM A POLÍCIA FEDERAL

Depois de ter sua proposta de delação rejeitada pelo Ministério Público Estadual de Minas Gerais, o operador do mensalão Marcos Valério Fernandes fechou um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal (PF) em Minas Gerais. Por citar políticos com foro privilegiado, como o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o acordo aguarda a homologação do Supremo Tribunal Federal (STF).


Valério cumpria pena de prisão pela ação penal do mensalão na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem (MG), e foi transferido no dia 17 para uma unidade da Associação de Proteção e Assistência a Condenados (Apac), em Sete Lagoas (MG), a pedido da Polícia Federal.

A transferência para a unidade, que propõe atendimento humanizado para a reintegração social de presos e tem vagas limitadas, era solicitada desde 2016 pelos seus advogados. No entanto, não havia vagas disponíveis.

Na decisão que autorizou a transferência, datada da última segunda-feira, o juiz da Comarca de Contagem Wagner de Oliveira Cavalieri escreveu que a medida teve como objetivo "concluir procedimento de colaboração premiada sob análise do Supremo Tribunal Federal".

Ele destacou que Marcos Valério "é presumidamente possuidor de inúmeras informações de interesse da Justiça e da sociedade brasileiras", razão pela qual seria "inegável o interesse público em suas declarações sobre fatos ilícitos diversos que envolvem a República".

Segundo o despacho, "em que pese a existência de formalidades e fila para a transferência de presos para o sistema Apac", no caso de Valério "o interesse público se sobrepõe aos interesses individuais e, portanto, a medida deve ser deferida conforme solicitada, ou seja, independentemente de ordem cronológica ou outros requisitos".

No início da tarde de ontem, a Superintendência da Polícia Federal em Minas Gerais confirmou a assinatura do acordo com Valério, submetido ao STF. "Devido a cláusula de confidencialidade constante do acordo, não há outras informações a serem prestadas", informou o órgão. A primeira versão da colaboração de Valério tinha 60 anexos e foi entregue em fevereiro deste ano à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Belo Horizonte que informou em nota oficial, na época, não haver interesse em aceitar a delação.

Agências de publicidade

Na negociação com a PF, Valério apresentou detalhes sobre desvios sob sua influência. Seus depoimentos foram gravados.

Nos documentos levados ao MP de Minas, Valério relatava detalhes do caixa paralelo montado por suas agências de publicidade para operar desvios em contratos assinados durante o governo FHC (1994-2002), e nos primeiros anos de Lula no Planalto (2003-2005) e Aécio Neves no governo de Minas (2003-2005).

Valério apresentou informações sobre desvios em contratos com os Correios durante o governo Lula e no Banco do Brasil no período em que a DNA Propaganda era agência de publicidade da estatal, durante o governo FH.

Também fala sobre Caixa 2 operacionalizado por ele para campanhas tucanas em Minas, desvios em Furnas e pagamentos feitos por empresas como Usiminas e Andrade Gutierrez em benefício de políticos sob sua influência. Valério relata, ainda, bastidores de uma operação para abafar a relação do Banco Rural com políticos tucanos em Minas, durante a CPMI dos Correios. A assessoria de Aécio informou, em nota, que "desconhece o teor de declarações atribuídas a Marcos Valério" e diz que "jamais participou de qualquer ato ilícito praticado por Valério".

"É preciso que acusações feitas por delatores sejam sustentadas por provas verdadeiras, sob o risco de servirem, unicamente, para que réus confessos obtenham a impunidade penal", diz a nota. Valério foi condenado em 2012 a uma pena de 37 anos, 5 meses e seis dias de reclusão por peculato, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro.


DN

Nenhum comentário

SEU COMENTÁRIO É DE SUA TOTAL RESPONSABILIDADE, FICANDO SEU IP. DE REDE SALVO PARA RESGUARDO DE AÇÕES JUDICIAIS.

Tecnologia do Blogger.